Doctor Who | Jodie Whittaker é a primeira Doutora e isso não é problema!


A série Doctor Who ganhou muita repercussão neste domingo (16) após anunciar a escolha da primeira mulher a interpretar o personagem, a atriz Jodie Whittaker. O frenesi foi grande para muitos fãs, uns aceitando a ideia e outros odiando. Mas a verdade é que a série fala sobre diversidade a muito tempo, e quem de fato acompanha sabe muito bem disso.


Personagens como Capitão Jack Harkness (panssexual), Madame Vastra (homossexual) e a mais recente companion, Bill (homossexual e negra), são provas que diversidade sempre foram discutidas na série. Agora, só faltava o próprio Doutor ser influenciado diretamente. A Décima Temporada, que teve seu final recentemente, já cantou a bola desde o inicio. Bill é lésbica e falava sobre isso abertamente. O primeiro episódio, “The Pilot”, utilizou disso no enredo, que comentei aqui no site inclusive.

Mas antes mesmo de Bill, a capacidade de mudar de gênero dos Senhores do tempo já havia sido mostrada na oitava temporada, quando o personagem Mestre (antes interpretada pelo gênio John Sinn) retornou como Missy (Michele Gomez). A principio foi um espanto para alguns, mas ao decorrer da série ficou claro que o desempenho de Gomez foi tão primoroso que extinguiu reclamações.


O Mestre continuou sendo o Mestre, só que mulher. Para muitos, simplesmente explicar que se um Senhor do tempo pode mudar de forma física, ele também pode mudar de gênero, não basta. Não entra na cabeça dessas pessoas isso. Porque com o Doutor é diferente. Se o protagonista é o afetado, a aceitação não se encaixa para elas, pois a linha de frente da série é a o rosto principal dela e influencia bem mais em como ela é vista do que os outros personagens podem influenciar. 

Não digo se é por machismo ou metodismo, mas é difícil deles compreenderem, o que é triste. Se a série prega diversidade e aceitação, não aceitar uma mulher como a Doutora vai contra a todo o seu conceito. E não só ao conceito, mas também o que foi mostrado na própria décima temporada. Algumas cenas como essas abaixo são quase que desenhos para os que duvidavam que isso poderia acontecer.




E por incrível que pareça, apesar de todo esse meu pensamento, fui um dos poucos que levantou a bandeira para uma Doutora. Sou homem e minha representação de gênero não é de uma mulher. Isso é fato. Mas não temo dizer isso por que sou consciente que muitas mulheres não tiveram isso até então. Eu já fui representado por um homem como o Doutor durante mais de 50 anos e agora é a vez delas. 

Sei que no grupo dos que rejeitaram o anuncio existem algumas mulheres também (acredite, existem), mas no geral fica claro que a maioria foi a favor. A escolha de Whittaker não é sobre fazer média para grupos sociais ou de gênero. É sobre seguir o conceito da série: Mudança. E em resumo, como dito pelo mestre, “O futuro é delas”. Agora o meu herói se tornou heroína. E não tenho problemas quanto a isso.