Planeta dos Macacos - O Confronto


Quando foi noticiado que Rupert Wyatt, diretor de Planeta dos Macacos - A Origem não dirigiria mais a continuação pois a FOX estava pressionando-o para que o filme saísse o quanto antes, o sentimento que ficou foi que o filme seria desastroso. Todo mundo sabe que um filme feito as pressas tem grandes chances de ser uma bosta (o que nos diz algo sobre o próximo Quarteto Fantástico). Mas curiosamente Planeta dos Macacos - O Confronto é um ótimo filme! E mais: Conseguiu superar seu antecessor.

Dessa vez estamos 10 anos no futuro com Cesar liderando os demais macacos em uma zona de São Francisco, depois que o virus da gripe simia (mostrada no ultimo filme) devastou quase toda a raça humana. Até que um grupo liderado por Malcom (Jason Clarke) aparece com a intenção de restabelecer a energia de sua cidade sobrevivente, sendo que a usina que serve como fonte de energia está na area dos macacos. A Partir disso o conflito entre macacos e humanos acaba sendo inevitável.


Alem do sentimento de "isso vai dar merda" que está presente o filme todo (a fotografia escura reforça isso), um grande trunfo do filme é ser extremamente atual. Os complitos entre humanos e macacos são extremamente semelhantes a questão de Israel e Palestina que acompanhamos nesse ano. O Personagem Koba, que diferente de Cesar demonstrava um desprezo pela raça humana, é o exemplo de "monstro" criado pela violencia (assim como Israel foi atacada durante anos e agora vê uma oportunidade de finalmente ser o "bullying" da história).


E o paralelo não se restringe a realidade em que vivemos, mas tambem ao próprio filme. De um lado vemos o lider Cesar, pacifico mas autoritario. Um personagem extremamente bem contruido que mesmo estando no segundo filme continua a evoluir. Do outro lado vemos o personagem de Clarke, que assim como Cesar tem uma familia para cuidar e tambem é tão pacifico quanto. Os dois personagens são o reflexo um do outro, apesar de Clarke ser um personagem fraco em personalidade se o compararmos a Cesar.

Alias todo o nucleo humano é desinteressante se comparado aos macacos, que são muito mais profundos. Os efeitos especiais colaboram muito para isso (tanto que o filme começa com um mega close no olhos de Cesar, sem medo do publico achar erros na renderização dele). Gary Oldman pode até ter voltado a dar aqueles berros que soltava durante sua época mais jovem, mas não passa disso. Matt Reeves está mais que aprovado na direção, e deve continuar com a franquia.


Tão interessante quanto o universo dos filmes originais, esse novo, que agora em O Confronto é mais definido, deveria ser usado em aulas de como fazer um bom Reboot. Denso do começo ao fim, Planeta dos Macacos - O Confronto é um filme que está longe de ser totalmente fictício, pois trata de conflitos que podem muito bem existir em nossa realidade.