Thor - O Mundo Sombrio

Crítica

Esqueça a Asgard toda brilhante e as armaduras à la Fúria de Titãs. Em O Mundo Sombrio, o diretor Alan Taylor nos entrega não só a casa dos deuses nórdicos definitiva, como um dos melhores filmes da Marvel até o momento. SEM SPOILERS.


A sinopse: "A trama começa depois de os eventos de Os Vingadores. Loki (Tom Hiddleston) está preso em Asgard, que celebra as últimas batalhas pela pacificação dos Nove Reinos. A hora de coroar um novo rei se aproxima, mas uma ameaça ancestral ressurge na forma de Malekith, O Maldito (Christopher Eccleston), o rei dos Elfos Negros, uma raça que foi subjugada há 5 mil anos pelo avô de Thor, Bor, e que se acreditava destruída".


Não é preciso entrar no mérito de quem é melhor diretor, de qual visão do personagem é a melhor ou nada do gênero. Tanto Kenneth Branagh quanto Alan Taylor foram fiéis ao legado de Thor nas HQs e nos entregaram ótimos filmes. Mas realmente, é inegável ao assistir os dois, que se ache Thor - O Mundo Sombrio bem superior ao primeiro.


O desenvolvimento dos personagens, seus dilemas, os figurinos e cenários, tudo remete ao trabalho de Taylor em Game of Thrones e até a outros épicos cinematográficos semelhantes, como O Senhor dos Anéis. E isto está muito longe de ser ruim. Afinal, ao se utilizar desses recursos se mantendo fiel ao cânone do personagem, Taylor entregou um filme de Thor na medida certa. Um épico medieval misturado a uma aventura desenfreada digna das HQs. Taylor conseguiu tirar o melhor de cada ator, dando mais destaque a personagens como Heimdall (Idris Elba, novamente soberbo) e Frigga (René Russo, dispensando comentários). Afinal, quem é o Thor das HQs além de um personagem mitológico em meio a um mundo de super-heróis. Definir isso na medida certa em um longa-metragem é um grande desafio. Taylor conseguiu.

Para nos aprofundar, vamos aos pontos negativos e positivos do filme.

Pontos Negativos:

Quem são os Elfos Negros? - Mesmo que você entre no cinema se perguntando isso, não quer dizer que terá uma resposta muito profunda. O filme desenvolve bem os seus vilões, mas não deixa suas motivações muito claras. Ainda assim, são uma ameaça à altura dos guerreiros asgardianos.

Oi, Sif... Tchau, Sif. - Uma das personagens mais importantes entre os asgardianos das HQs, Sif continua sem muito destaque. Dá pra compreender que a trama do filme não exigia mesmo muito da personagem, e que ela ganhou mais espaço do que no filme anterior. Ainda assim, valeria a pena investir mais na guerreira interpretada pela bela Jaimie Alexander.

Onde está o capacete do Thor? - Que fosse numa ceninha. Numa pequena cena de batalha. Já teria valido a pena, assim como o capacete de Loki deu um tom interessante ao personagem em Os Vingadores (Loki também não usa capacete neste filme). O capacete foi aposentado por dar uma estética aparentemente menos séria ao personagem. Uma pena para nós fãs que curtimos o visual clássico do personagem.
Pontos Positivos:


Thor - Finalmente! Thor está ali. Sua participação em Vingadores foi significativa, mas é aqui que Thor realmente ganha ares do personagem das HQs. Mesmo Chris Hemsworth, que não é nenhum ator shakesperiano, se tornou muito mais carismático e desempenhou melhor seu papel sob a batuta de Alan Taylor. O personagem finalmente amadureceu. O verdadeiro Thor. Sem mais.


Loki - Tom Hiddleston é um ator incrível. Um cara que consegue roubar a cena mesmo quando a divide com o grande Anthony Hopkins é digno de aplausos. Hiddleston consegue o feito, mesmo sem muito tempo de tela dessa vez. Dá vontade de bancar o maluco e aplaudir sempre que o cara entra em cena.

Malekith - Christopher Eccleston foi um Doctor Who incrível. Deu uma atuação sensacional ao Destro no mediano G.I. Joe. O que dizer de seu Malekith? Se o vilão já é uma grande ameaça nas HQs, no filme ele se torna, como sua denominação determina, um maldito! Mesmo não tendo muita presença física, o vilão dá medo sempre que surge em cena, simplesmente por seu olhar vazio e suas motivações misteriosas. Se os elfos negros ficaram um pouco perdidos em suas motivações no roteiro em uma visão geral, seu líder se tornou um dos maiores vilões da Marvel no cinema. Para quem conhece o personagem das HQs, fique atento para o visual dele na batalha final. Uma referência bem legal ao Malekith dos quadrinhos.

Os coadjuvantes - Muito bem desenvolvidos. Sentimentos falta de mais presença de alguns (como a Sif, como citei nos pontos negativos) mas nada que incomode. Os guerreiros estão ótimos como no primeiro, mas dessa vez ganharam mais espaço. Natalie Portman continua linda e forte como Jane Foster, que dessa vez também ganhou mais espaço. Darcy (Kat Dennings) continua sendo o alívio cômico, e encontra no Dr. Erik Selvig (Stellan Skarsgård), enlouquecido pelos acontecimentos de Os Vingadores, um ótimo parceiro de piadas. Os grandes Anthony Hopkins, René Russo e Idris Elba continuam surpreendendo em seus papéis, enquanto Adewale Akinnuoye-Agbaje nos entrega um Kurse ameaçador e assustador na medida.


O roteiro - Asgard bem construída, humor, ação e aventura na medida certa. O fato da história se passar uma boa parte em Asgard e em outros dos nove reinos é outro ponto muito positivo na trama. Um filme da Marvel como tem que ser. Se não fosse pela reunião dos heróis em Os Vingadores ter sido épica, esse filme seria sem dúvida o melhor da Marvel até hoje.


Uma trilha sonora primorosa acompanha um roteiro incrível, ótimas atuações, figurinos e cenários dignos de uma superprodução épica. O que resta pra dizer? Thor - O Mundo Sombrio me surpreendeu. E muito. Quem entrou no cinema para assistir um filme "legal" como o primeiro, encontrou um épico digno das grandes produções do cinema baseado em HQs, merecendo um lugar ao sol junto com filmes como X-Men 2, O Cavaleiro das Trevas e Vingadores.

Aliás, as duas cenas pós-créditos fazem valer a espera. A segunda completa o filme, e na primeira, um gancho para as próximas produções da Marvel nos entrega um personagem das HQs em uma ótima versão nas mãos de um ator incrível. O 3D não é sensacional, mas não decepciona. Vale a pena dar uma conferida.

Concluindo, Thor - O Mundo Sombrio é o melhor filme do Thor, um dos melhores filmes da Marvel e um dos melhores filmes de super-heróis até o momento. E, até que os Vingadores retornem ao cinema, o deus do Trovão pode descansar sossegado. Afinal, finalmente ganhou uma aventura cinematográfica à altura. 


Enquanto Kirby e os outros colaboradores que estão em Valhalla comemoram o sucesso da nova aventura do tão amado deus do Trovão da Marvel junto com os realizadores do filme, nós mero mortais esperamos que se cumpra a promessa que o final dos créditos deixa para nós. Thor vai retornar. Quem sabe Alan Taylor não retorna com ele?